• Rua José Bonifácio 2355 sala 812 - Santa Maria - RS
  • Seg à Sex - 8h às 12h - 14h às 18h

Dia Mundial do Mieloma Múltiplo

O Mieloma Múltiplo, na maior parte dos casos, ocorre em pessoas acima dos 60 anos de idade e se origina na medula óssea. Os linfócitos se diferenciam, tornando-se plasmócitos, responsáveis pela produção de imunoglobulinas de vários tipos, nossos anticorpos. Quando o Mieloma Múltiplo ocorre, há uma mutação celular em um ou mais genes, criando uma produção de plasmócitos anormais (doentes), que fabricam imunoglobulinas anormais, chamadas proteínas monoclonais ou proteínas M, entre outros nomes.

Alguns dos tratamentos que podem ser usados para o Mieloma Múltiplo:

Quimioterapia: é a opção mais antiga e mais comum no Brasil. Medicamentos potentes são usados em conjunto, visando eliminar as células doentes do organismo. Os imunomoduladores atuam diretamente no sistema imunológico, ajudando a eliminar as células cancerígenas. Os inibidores do proteassoma inibem a ação da proteassoma, provocando reações e promovendo a morte das células doentes. Recentemente a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) realizou uma consulta pública para inclusão do Bortezomibe no tratamento de Mieloma Múltiplo no sistema público de saúde.

Imunoterapia: utiliza medicamentos também chamados anticorpos monoclonais, para atacar o alvo da célula, ao mesmo tempo que estimula o próprio sistema imunológico do corpo a atacar as células cancerígenas.

CAR-T Cell: esse tratamento isola um tipo de linfócito T, o trabalha em laboratório e o insere no paciente para que o câncer seja combatido.

Transplante de Medula Óssea (TMO): quando não houver contraindicação, pode ser realizado o TMO autólogo, quando é usada a medula do próprio paciente para o transplante. O procedimento é realizado após análise do estadiamento da doença, tratamento quimioterápico para redução e avaliação das condições de saúde do paciente.

O Mieloma Múltiplo não tem cura, mas é possível chegar a uma remissão completa da doença (quando os exames não mostram mais células doentes no organismo). O diagnóstico precoce é muito importante faz muita diferença nos resultados do tratamento.