• Rua José Bonifácio 2355 sala 812 - Santa Maria - RS
  • Seg à Sex - 8h às 12h - 14h às 18h

Dedicação e competência brasileira: 1º resultado de tratamento com CAR-T cell é divulgado no País; ABHH tem discutido o tema amplamente

Na última quinta-feira (10), repercutiu a notícia que um paciente com linfoma não Hodgkin de célula B constata a remissão da doença após o uso pioneiro da terapia CAR-T cell. O procedimento foi conduzido por especialistas do Centro de Terapia Celular (CTC) da USP e do Hemocentro, ligado ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.

Entre os profissionais estão o Dr. Dimas Tadeu Covas, ex-presidente da ABHH e coordenador do CTC, Dr. Renato Cunha, integrante do Comitê de Terapia Celular e pesquisador do Centro de Terapia Celular, e o Dr. Rodrigo Calado, coordenador do Comitê de Falências Medulares da ABHH e professor da FMRP-USP, entre outros especialistas.

Dr. Dante Langhi Jr., presidente da ABHH, parabeniza os profissionais empenhados nesta conquista brasileira. “O CAR-T cell tem sido largamente abordado em nossos eventos científicos, bem como pelos nossos Diretores e associados que viajam para os congressos internacionais e trazem essa inteligência para o Brasil. A ABHH vai continuar apoiando e estimulando os cientistas brasileiros empenhados em ampliar seu uso no país”, celebra.

Em agosto, de forma inédita, a ABHH realizou o Terapias Avançadas: Células e Genes (TACG), que trouxe um panorama sobre o CAR-T Cell e questões regulatórias do tratamento no Brasil e no mundo. Além disso, o tema será amplamente discutido no HEMO 2019, com as principais novidades científicas sobre o assunto e os maiores especialistas nacionais e internacionais. Na programação do sábado, 9 de novembro, o evento terá pela manhã um painel com a presença dos Drs. Dimas Tadeu Covas, Renato Cunha e do renomado especialista estrangeiro Hiroshi Shiku.

Fonte: https://abhh.org.br/

Em viagem à Espanha, no começo deste mês, a Drª. Juliana Salvador participou de um preceptorship no Hospital Vall d’Hebron, onde foi lançado o primeiro ensaio clínico internacional com terapia com células T CAR para pacientes com linfoma agressivo de células B não Hodgkin (NHL de células B) na Europa.

O VHIO é o primeiro local na Espanha a conduzir um estudo com esta imunoterapia para essa população de pacientes em particular.

A nova terapia com células T do receptor quimérico de antígeno (CAR) é uma abordagem baseada em imunoterapia que está emergindo rapidamente, envolvendo a remoção de células imunes de um paciente e a turbo-alimentação com novas proteínas que as capacitam a reconhecer e aprimorar o câncer. As células são então devolvidas ao paciente em grande número para montar um ataque antitumoral.

Na oportunidade, a Drª. Juliana teve a oportunidade de conhecer essa técnica e a unidade de internação desse centro (Foto acima).

13/10 – Dia Mundial da Conscientização da Trombose

A trombose ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes das pernas e das coxas. Esse coágulo bloqueia o fluxo de sangue e causa inchaço e dor na região. O problema maior é quando um coágulo se desprende e se movimenta na corrente sanguínea, em um processo chamado de embolia. Uma embolia pode ficar presa no cérebro, nos pulmões, no coração ou em outra área, levando a lesões graves.
A trombose ocorre, geralmente, após cirurgia, corte ou falta de movimento por muito tempo, sendo mais frequente após procedimentos cirúrgicos ortopédicos, oncológicos e ginecológicos. 
A trombose também pode se manifestar de diferentes formas:

  • A Trombose Venosa Profunda (TVP), condição conhecida popularmente apenas por trombose, é a formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias localizadas da parte inferior do corpo, geralmente nas pernas. É a forma mais comum da trombose.
  • Trombose arterial. Além da Trombose Venosa Profunda, existem também trombos que se formam nas artérias, bloqueando-as totalmente. Quando existe uma obstrução total das artérias do cérebro, por exemplo, ocorre o que é conhecido como Acidente Vascular Cerebral (AVC). Nesses casos, a região a que o sangue não chega sofre um infarto cerebral e morre.
  • Trombose hemorroidaria. Quando uma hemorroida tem a formação aguda de trombos, chamamos isso de uma trombose hemorroidaria. Esse quadro implica no desenvolvimento de um nódulo com edema e de coloração arroxeada na margem anal. É frequentemente acompanhado de dor severa
    O que causa a trombose?
    A trombose possui várias causas e fatores de risco. A maior parte delas são evitáveis, então procure sempre um médico e faça exames regularmente, além de manter um estilo de vida saudável. As principais causas da trombose são:
  • uso de anticoncepcionais ou tratamento hormonal;
  • tabagismo;
  • ficar sentado ou deitado muito tempo;
  • hereditariedade;
  • gravidez;
  • presença de varizes;
  • idade avançada;
  • pacientes com insuficiência cardíaca;
  • tumores malignos;
  • obesidade;
  • distúrbios de hipercoagulabilidade hereditários ou adquiridos;
  • história prévia de trombose venosa.
    Quais são os sintomas da trombose?
    A trombose venosa profunda pode ser absolutamente assintomática. Quando presentes, os principais sintomas são nessa forma da doença são:
  • dor;
  • calor;
  • vermelhidão;
  • rigidez da musculatura na região em que se formou o trombo.
    Como é feito o tratamento da trombose?
    Uma vez confirmado o diagnóstico, o tratamento da trombose deve começar imediatamente. O tratamento tem três objetivos:
  • Impedir o crescimento do coágulo sanguíneo.
  • Impedir que o coágulo sanguíneo avance para outras regiões do corpo e, assim, evitar possíveis complicações.
  • Reduzir as chances de recorrência da trombose.
    Durante o tratamento, existem medicamentos e outras formas de complementar o tratamento, conforme indicação médica de acordo com cada caso. Entre as opções estão:
  • Diluidores do sangue, como anticoagulantes, que diminuem as chances de haver coagulação do sangue.
  • Uso de medicamentos para casos mais graves de tromboses e também de embolia pulmonar, conhecidos como heparina.
  • Inserção de filtros na maior veia do abdômen para impedir que os coágulos sanguíneos se desloquem para os pulmões.
  • Meias de compressão para melhorar o edema causado pela trombose.

    Para dúvidas e tratamento consulte um hematologista!

Fonte saúde.gov.br

Doação de sangue: o que é, requisitos, como doar, quem pode doar?

O que é a doação de sangue?

Além de pessoas que submetem a procedimentos e intervenções médicas, o sangue também é indispensável para que pacientes com doenças crônicas graves – como Doença Falciforme e Talassemia – possam viver por mais tempo e com mais qualidade, além de ser de vital importância para tratar feridos em situações de emergência ou calamidades. Uma única doação pode salvar até quatro vidas.

O sangue é insubstituível e sem ele é impossível viver. Por isso, é fundamental manter os estoques de sangue sempre abastecidos e não apenas em datas específicas ou quando algum conhecido precisar.

O procedimento para doação de sangue é simples, rápido e totalmente seguro. Não há riscos para o doador, porque nenhum material usado na coleta do sangue é reutilizado, o que elimina qualquer possibilidade de contaminação.

Quais são os requisitos para doação de sangue?

Podem doar sangue pessoas entre 16 e 69 anos e que estejam pesando mais de 50kg. Além disso, é preciso apresentar documento oficial com foto e menores de 18 anos só podem doar com consentimento formal dos responsáveis.

Pessoas com febre, gripe ou resfriado, diarreia recente, grávidas e mulheres no pós-parto não podem doar temporariamente.

Os requisitos para doar sangue é estar com bom estado de saúde e seguir os seguintes passos:

  • Estar alimentado. Evite alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação de sangue.
  • Caso seja após o almoço, aguardar 2 horas.
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas.
  • Pessoas com idade entre 60 e 69 anos só poderão doar sangue se já o tiverem feito antes dos 60 anos.
  • A frequência máxima é de quatro doações de sangue anuais para o homem e de três doações de sangue anuais para as mulher.
  • O intervalo mínimo entre uma doação de sangue e outra é de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.

Agora que você entende a importância deste ato de solidariedade, faça a sua parte. Vá ao hemocentro mais próximo e doe sangue regularmente. Vidas dependem de você!

Vamos falar sobre Hemofilia?

Hemofilia é uma doença genética e hereditária que se caracteriza por desordem no mecanismo de coagulação do sangue e manifesta-se quase exclusivamente no sexo masculino.

Existem dois tipos de hemofilia: A e B. A hemofilia A ocorre por deficiência do fator VIII de coagulação do sangue e a hemofilia B, por deficiência do fator IX.

A mutação que causa hemofilia fica localizada no cromossoma X. Em geral, as mulheres não desenvolvem a doença, mas são portadoras dessa alteração. O filho do sexo masculino é que pode manifestar a enfermidade.

Os episódios de sangramento podem ocorrer logo no primeiro ano de vida do paciente, sob a forma de equimoses (manchas roxas), que se tornam mais evidentes quando a criança começa a andar e a cair. A apresentação clínica das hemofilias A e B é semelhante, caracterizada por sangramentos intra-articulares (hemartroses), hemorragias musculares ou em outros tecidos ou cavidades. As hemartroses afetam mais frequentemente as articulações do joelho, tornozelo, cotovelo, ombro e coxofemoral.

O diagnóstico de hemofilia deve ser pensado sempre que há história de sangramento fácil após pequenos traumas, ou espontâneo, podendo ser hematomas subcutâneos nos primeiros anos de vida, ou sangramento muscular e/ou articular em meninos acima de dois anos, ou mesmo com história de sangramento excessivo após procedimentos cirúrgicos ou extração dentária. É importante lembrar que embora a história familiar esteja frequentemente presente, em até 30% dos casos pode não haver antecedente familiar de hemofilia.

O tratamento da hemofilia evoluiu muito e, basicamente, consiste na reposição do fator de coagulação. Uma possibilidade de tratamento é a reposição intravenosa do fator deficiente (fator VIII na hemofilia A ou fator IX na hemofilia B). Mas para que o tratamento seja completo, o paciente deve fazer exames regularmente e jamais utilizar medicamentos que não sejam recomendados pelos médicos. Há o risco de o paciente desenvolver inibidores, que neutralizam o fator coagulante.

Os hemocentros distribuem gratuitamente essa medicação que é fornecida pelo Ministério da Saúde.

Clicando aqui você acessa o Manual de Hemofilia, do Ministério da Saúde.

Atividade física durante a quimioterapia, pode?

No tratamento oncológico, os exercícios físicos podem ser realizados durante ou após a quimioterapia e a radioterapia, como adjuvante ao tratamento. Quando feitos regularmente, auxiliam na regulação de hormônios e atuam sobre o sistema imunológico, ajudam a manter a composição corporal adequada (ou seja, a distribuição entre músculos, gordura e ossos no corpo), a diminuir a perda de massa muscular e a manter o coração funcionando bem.

Um efeito colateral recorrente no tratamento da maioria das neoplasias é a fadiga. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos, entre 72 e 95% dos pacientes são afetados por esse cansaço extremo, que pode resultar na diminuição significativa da qualidade de vida. Estudos mostram que a prática diária de exercício pode diminuir a intensidade desse sintoma em até 50%.

Mesmo com todos esses benefícios, é muito importante que as pessoas em tratamento de câncer tenham cuidado redobrado durante os exercícios. Em geral, recomenda-se a realização de, pelo menos, 30 minutos de exercícios físicos por dia ou 150 minutos de atividade ao longo da semana, tempo este dividido entre exercícios de resistência muscular e aeróbicos, mas sempre de intensidade baixa. É a importante sempre consultar um médico, pois cada caso é um caso e estar acompanhado por um bom educador físico e que tenha experiência em pacientes com câncer é fundamental.

Dra. Juliana Salvador ministrou aula sobre monitorização e tratamento de LMC

A Dra. Juliana Salvador ministrou aula sobre monitorização e tratamento de Leucemia Mieloide Crônica (LMC) a um grupo de colegas hematologistas no dia 21/05/19, em Santa Maria. A atividade faz parte do Programa de Educação Médica RM4.5 de Casos Clínicos 2019, organizado pela Novartis Biociências, que contará com o envio de relatos de casos de pacientes em tratamento de LMC, envolvendo médicos de todo o Brasil. O objetivo do projeto é difundir o conhecimento técnico e científico sobre o tratamento dessa doença.

Além de coordenadora do grupo de Santa Maria no Programa RM4.5, a Dra. Juliana Salvador é responsável pelo ambulatório de LMC no Hospital Universitário de Santa Maria, atualmente tratando 94 pacientes com essa doença.

O que causa plaquetas baixas?

Plaquetopenia ou trombocitopenia é a diminuição do número de plaquetas no sangue, sendo um achado frequente no hemograma, e nem sempre significa presença de alguma doença. Os valores de referência das plaquetas são de 150.000 a 400.000/mm³.

A plaquetopenia é uma situação que prejudica a coagulação, e pode causar sintomas como manchas roxas ou avermelhadas na pele, sangramento nas gengivas ou pelo nariz, e urina avermelhada, por exemplo.

As plaquetas são componentes essenciais do sangue para a coagulação, facilitando a cicatrização de feridas e impedindo hemorragias, e existem diversas causas para a sua redução, dentre elas infecções, gestação, uso de medicamentos, doenças relacionadas com a imunidade, como púrpura trombocitopênica, e neoplasias, como leucemias e linfomas.

O tratamento desta situação deve ser feito conforme a sua causa, pelo hematologista, podendo ser necessário apenas o controle da causa, uso de medicamentos ou a transfusão de plaquetas.

Doação de medula óssea

As chances de encontrar uma medula óssea compatível para um paciente são raras, podendo chegar 1 em 100 mil! Por isso, ao se tornar um doador, você está ajudando a diminuir essa distância.

É preciso ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante). Para se cadastrar, o candidato a doador deverá procurar o hemocentro mais próximo de sua casa para esclarecer dúvidas a respeito da doação.

Em seguida, será feita a coleta de uma amostra de sangue (10ml) para a tipagem de HLA (exame de histocompatibilidade que identifica as características genéticas de cada indivíduo). Os dados do doador são inseridos no cadastro do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) e, sempre que surgir um novo paciente, a compatibilidade será verificada. Uma vez confirmada, o doador será consultado para decidir quanto à doação.

É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos hemocentros localizados em todos os estados do país.

👉 Consulte no endereço http://redome.inca.gov.br/doador/hemocentros o hemocentro mais perto de você.

Um doador de medula óssea deve manter seu cadastro sempre atualizado.

👉 Caso haja alguma mudança, atualize pelo endereço http://redome.inca.gov.br/doador-atualize-seu-cadastro

Fonte: GRAACC

Dra. Juliana Salvador participou do HEMO 2018

Dra. Juliana Salvador participou do HEMO 2018 – Congresso Brasileiro de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, o terceiro maior evento do mundo ocidental da especialidade que foi realizado entre os dias 31 de outubro e 03 de novembro no Transamerica Expo Center, em São Paulo – SP.

O evento reuniu conferencistas nacionais e internacionais, além de participantes oriundos de várias regiões do país e do mundo.